Baixa histórica da Selic cria momento oportuno para investimento em imóveis

Momento é bom para investir em imóveis. Confira dicas de opções para fazer um bom investimento - Divulgação
Momento é bom para investir em imóveis. Confira dicas de opções para fazer um bom investimento – Divulgação

Confira tipologias de imóveis que estão tendo alta na demanda e são boas alternativas para investimento tanto para locação quanto para revenda

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central cortou a taxa básica de juros (Selic) em 0,25 ponto percentual, de 2,25% para 2% ao ano. A decisão foi unânime e veio dentro do esperado pela maior parte dos analistas de mercado. Este foi o nono corte seguido, o quinto anunciado neste ano e o quarto desde o início da pandemia do novo coronavírus no Brasil. É o menor patamar desde o início da série histórica, em 1996. A queda começou a partir de outubro de 2016, quando ela estava em 14,25%.

Embora a maior parte do mercado financeiro espere que a Selic fique estável em 2% até dezembro, o grupo “top 5” médio prazo do relatório Focus do Banco Central, que representa os economistas que mais acertam as previsões, ainda estima novo corte, com essa taxa encerrando o ano a 1,88%. Basicamente, a Selic influencia todas as demais taxas de juros do Brasil, como empréstimos, financiamentos e retorno em aplicações. Um dos segmentos que se beneficia da queda dela é o setor imobiliário. 

Com a taxa baixa, pegar um empréstimo no banco financiar um imóvel se torna mais vantajoso. Além disso, como as outras opções mais conhecidas de investimentos – como os títulos lastreados pela Selic, o CDB por exemplo -, estão mais instáveis e com rentabilidade muito reduzida. Com isso, a ideia de comprar um imóvel para investir se intensificou, aponta o diretor da URBS Imobiliária, Edmilson Borges. “Isso acontece porque os imóveis estão tendo uma valorização maior do que a Selic, e se você incorpora a renda do aluguel, essa rentabilidade é maior ainda”, explica ele.

Para aproveitar o momento, o diretor destaca que o importante é diversificar o investimento em imóveis. “Seja comercial ou residencial, este é um bom momento para investir até para evitar pagar preços maiores por conta da diminuição do estoque que já está sendo sentida no mercado goiano e brasileiro”, afirma. Edmilson Borges orienta que o investimento é válido tanto para moradia própria, quanto para alugar, visto que o aluguel também está em alta.

Veja a seguir algumas dicas de imóveis para investir elaboradas pelo especialista:

Diretor da URBS Imobiliária, Edmilson Borges, dá dicas sobre tipos de imóveis bons para se investir Arquivo pessoal
Diretor da URBS Imobiliária, Edmilson Borges, dá dicas sobre tipos de imóveis bons para se investir Arquivo pessoal

Salas comerciais

Mesmo com o crescimento do home office, a demanda por salas comerciais continua. Apesar dos impactos da epidemia do coronavírus, Goiás termina o primeiro semestre de 2020 com saldo positivo na criação de novos negócios. Até o final do mês passado, o Estado registrou a abertura de 11.515 empresas, número semelhante ao de 2019 (11.687) e acima da média registrada nos últimos cinco anos (10.664), sempre levando em conta o período de janeiro a junho. Goiás também ganhou mais 15 mil microempreendedores individuais (MEIs) no último trimestre, um incremento de 4,3% conforme o Portal do Empreendedor. “São números que dão suporte para o aquecimento das salas comerciais. Ainda que em um novo modelo de funcionamento, conciliando o trabalho presencial com o home office, os negócios vão precisar de um espaço físico, mais cedo ou mais tarde”, diz Edmilson. Ele o observa que Goiânia está sem lançamentos comerciais há algum tempo e as unidades disponíveis já estão sendo ocupadas.

Apartamento de um quarto e mobiliado (studio/flats)

Procurado por solteiros ou casal sem filhos, com demanda por locação alta, essa tipologia é uma boa opção para investimento, mas com pouca oferta de produtos prontos no mercado. Levantamento divulgado em julho pela Associação das Empresas do Mercado Imobiliário de Goiás (Ademi-GO), mostra esta escassez, pois desde maio de 2019 não há nenhum lançamento desta tipologia em Goiânia e Aparecida de Goiânia. “Normalmente são procurados por pessoas que vem para Goiânia a trabalho”, explica o diretor da URBS Imobiliária.

Apartamentos de dois quartos

Procurado por casal sem filhos, divorciados e também por solteiros. “É muito solicitado, pois atende diversos perfis de público e em bairros nobres já é difícil encontrar”, salienta o especialista. Por isso, aproveitar uma oportunidade de investir em um imóvel desse padrão pode ser interessante para revenda futura ou para locação. Prova disso é que entre abril de 2019 e de 2020, segundo dados da Ademi-GO, foram lançadas 3.942 unidades desta tipologia e a venda líquida delas foi de 3.983, ou seja, vendeu-se mais do que foi lançado no período de um ano. Isso se dá, pois, normalmente, é um imóvel de menor valor e muitos se enquadram no programa do Governo Federal Minha Casa Minha Vida, com condições facilitadas para pagamento. Em abril deste ano foi vendido 35,5% a mais de imóveis neste programa comparado com o mesmo mês de 2019.

Apartamentos de três quartos

Normalmente, procurado por casais com filhos e que prezam por mais conforto. “Normalmente, é a família que estão em fase de upgrade, ou seja, já possuem um imóvel menor e buscam por melhorias. Durante a pandemia, notamos o aumento dessa demanda, justamente porque as pessoas ficaram mais tempo em casa e avaliaram melhor a qualidade de seu espaço privativo”, justifica o diretor da URBS Imobiliária. Tal perspectiva é comprovada por levantamento realizado pela OLX, o qual mostra que a procura por casas e apartamentos com três ou mais quartos aumentou 30%. O interesse por este tipo de imóvel cresceu 31% para compra e 27% para aluguel. Os dados são de abril e maio deste ano em comparação com o mesmo período do ano passado.

Condomínios fechados

Também procurado por famílias, este tipo de imóvel é um excelente investimento por conta da valorização que já existia e agora está mais alta por conta da demanda. “A busca por locação em condomínios fechados também está altíssima por causa da pandemia. A experiência do home office está levando as pessoas a avaliarem melhor se é realmente imprescindível estar perto do trabalho, além da busca por mais espaço privativo. Os imóveis no local, tanto lotes quanto casas, já tiveram aumento de até 30% no valor”, salienta Edmilson Borges. Dados da Brain Inteligência Estratégica, empresa que realiza pesquisas sobre mercado imobiliário, apontam que na região Centro-Oeste, 75% das pessoas têm um desejo maior pelas casas e, em Goiânia, isso é mais forte, comportamento que indica uma tendência.

Comunicação Sem Fronteiras
Dayse Luan
(62) 3522-3163
dayse@comunicacaosemfronteiras.com

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s